quarta, 20 de outubro de 2021
Série Drama Ficção Científica

Solos


Solos
Assista Agora!
Amazon Prime Vídeo

O elenco de Solos é excelente, assim como a ideia da Amazon de ter sua própria Black Mirror, produção original da Netflix que está na 5ª temporada. O criador, David Weil, é o mesmo de Hunters, com Al Pacino à frente do elenco. Aqui ele tem um contexto forte a se explorar: o isolamento, a solidão, o medo, a falta de perspectiva, a memória (ou a falta dela) – sintomas pungentes e característicos desse período caótico de pandemia de Covid-19. Mas não estamos no presente. Weil envelopa os 7 episódios com uma realidade futurista em que a tecnologia, embora mais avançada, dá sinais de que não se passou tanto tempo assim.

Ambientada em um único cenário, com no máximo dois personagens, cada parte tem cerca de 20 minutos e o ponto de largada é a voz de Morgan Freeman fazendo uma pergunta existencialista. “Se você viajar para o futuro, conseguirá escapar do seu passado?”, “A ameaça externa é maior que a interna?” e “Você gostaria de cancelar o pior dia da sua vida?” são algumas delas. Começa com Anne Hathaway (Convenção das Bruxas) como uma cientista obcecada por viajar no tempo, enquanto sua mãe padece de demência. O projeto tem êxito, porque às tantas ela entra em contato com seu “eu” em tempos diferentes.

Solos

Anthony Mackie (O Banqueiro) também contracena consigo mesmo, no caso com sua cópia robótica. O episódio mais estranho traz Nicole Beharie (Monstros e Homens) como a mãe que dá à luz um bebê prematuro, fruto de alguma empresa especializada em reprodução artificial. Só que em poucos minutos o menino cresce exponencialmente, o médico responsável avisa que deu algo errado e, pior, que o exemplar é altamente perigoso.

Uzo Aduba (série Orange is the New Black) e Constance Wu (Podres de Ricos) estrelam monólogos sobre medo e culpa. A primeira se retirou da vida social há 20 anos por causa de um vírus, se recusa a sair de casa e tem discussões acirradas com o atendente virtual que tenta convencê-la de que não há mais perigo. A outra está na sala de espera de uma empresa que apaga memórias, e faz um desabafo sobre o que deseja esquecer. O monólogo de Helen Mirren (A Grande Mentira) é o mais tocante. Sua personagem está em uma cápsula espacial e fala com o computador da importância daquela viagem. Falta de autoestima, tragédias pessoais, remorso e envelhecimento são abordados em um texto arrebatador.

Solos

Morgan Freeman (Despedida em Grande Estilo) e Dan Stevens (O Homem Que Inventou o Natal) fecham a antologia em um emocionante acerto de contas, porque o personagem de Freeman fora outrora um ladrão de memórias e Stevens, uma de suas vítimas. Todos os episódios, sem exceção, são muito bem escritos e o espectador vai se dando conta de que os personagens estão conectados. A qualidade das atuações, então, nem se fala. Qual é o problema de Solos, afinal? Diferente de Black Mirror, que retrata os males da sociedade e do ser humano com humor sarcástico, Solos é só melancolia. A regra é chorar (todos choram em cena) e provocar o choro. Emociona, mas é uma série essencialmente deprimente, tão deprimente que se torna indigesta.




Trailer

Ficha Técnica

Título: Solos
Direção: David Weil, Sam Taylor-Johnson, Zach Braff, Tiffany Johnson
Duração: 20 minutos

País de Produção/Ano: EUA, 2021
Elenco: Morgan Freeman, Helen Mirren, Anne Hathaway, Anthony Mackie, Dan Stevens, Constance Wu, Uzo Aduba, Nicole Beharie
Distribuição: Amazon Prime

Assista Agora!
Amazon Prime Vídeo

Compartilhe!

Suzana Uchôa Itiberê

Suzana Uchôa Itiberê

Posts do Autor

Cinéfila incorrigível, jornalista de plantão, crítica de cinema (não muito) chatinha e editora caprichosa. Cria do jornal O Estado de S. Paulo, trabalhou nas revistas TVA, Set, Istoé Gente e foi cofundadora da revista Preview. Membro da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema).

Comentar

* Informação requerida
1000
Iamgem do Captcha

Comentários (0)

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro!