segunda, 18 de janeiro de 2021

Tenet


Tenet
Assista Agora!
Vivo Play iTunes NET NOW Looke

O inglês Christopher Nolan deve ter brincado muito de faz de conta na infância, porque é impressionante sua capacidade de criar histórias originais e mirabolantes. Ele tinha 7 anos quando rodou seu primeiro filme caseiro com a Super 8 de seu pai, e estudava Literatura Inglesa quando aprendeu a manejar a câmera 16 mm. Com ela se aprimorou nas técnicas de guerrilha, as mesmas adotadas para realizar seu primeiro longa, Seguinte (1988), com apenas US$ 6 mil. O que mudou de lá pra cá, na verdade, são os muitos zeros a mais no orçamento e o aparato técnico a seu dispor. Nolan é hoje uma criança grande, que fez ótimo uso dos recursos que agigantaram suas brincadeiras cinematográficas e as colocaram no olimpo dos blockbusters.

É com esse espírito lúdico que o espectador deve se entregar às peripécias do artista indicado ao Oscar pelos roteiros de Amnésia (2000) e A Origem (2010), e pela direção de Dunkirk (2017) – os dois últimos nomeados também a melhor filme. O tempo, a máquina que não para, é a matéria-prima essencial desse moleque travesso da sétima arte. E se Nolan não pode moldá-lo a seu bel-prazer na vida real, na ficção ele o faz sem nenhuma cerimônia. Em Tenet, somem o lirismo de Interestelar (2014) e a humanidade pulsante de Dunkirk. Há uma frieza emocional na trama de espionagem que entorta o tempo pela teoria da “entropia invertida”.

O enredo explica inúmeras e repetitivas vezes que o material que tem sua entropia invertida “anda para trás”. Exemplo: a bala volta para dentro da arma. E o que acontece quando uma máquina funde a temporalidade? Pessoas e objetos se movimentam em assimetria – uns para frente, outros para trás – em dois fluxos temporais simultâneos. Ao burlar as leis da física, Nolan gera um caos que toma forma em sequências espetaculares. A parafernália teórica e visual ampara como pode um roteiro chinfrim sobre a ameaça da Terceira Guerra Mundial. O elenco estelar também colabora, e muito.

John David Washington (astro de Infiltrado na Klan e filho de Denzel Washington) vive o agente conhecido apenas como Protagonista. Ele se une ao sujeito misterioso e polivalente interpretado por Robert Pattinson (O Diabo de Cada Dia), com a missão de salvar o mundo. Kenneth Branagh (Assassinato no Expresso do Oriente) é o vilão que tem domínio da fenda temporal e sua esposa, Elizabeth Debicki (Tudo Pela Arte), faz o elo entre o bem e o mal. É maniqueísta nesse tanto. Engrossam o time Aaron Taylor-Johnson (Legítimo Rei), Clémence Poésy (Uma Família de Dois) e o habitual colaborador de Nolan, Michael Caine (o mordomo Alfred na trilogia de O Cavaleiro das Trevas).  

Nolan utilizou uma mistura de IMAX® e 70mm para seu cinema espetáculo, com locações nos Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Dinamarca, Noruega, Estônia e Índia. Tenet é enorme na forma e ralo no conteúdo. A dica é entrar na brincadeira, desencanar de entender tudo e, por 2h30, se deixar levar pela experiência imersiva que só a sala escura do cinema e a tela grande são capazes de proporcionar. Já valeu.




Trailer

Ficha Técnica

Título: Tenet
Direção: Christopher Nolan
Duração: 150 minutos

País de Produção/Ano: Reino Unido/EUA, 2020
Elenco: John David Washington, Robert Pattinson, Elizabeth Debicki, Kenneth Branagh, Martin Donovan, Michael Caine, Clémence Poésy, Dimple Kapadia, Aaron Taylor-Johnson
Distribuição: Warner Bros.

Assista Agora!
Vivo Play iTunes NET NOW Looke

Compartilhe!

Suzana Uchôa Itiberê

Suzana Uchôa Itiberê

Posts do Autor

Cinéfila incorrigível, jornalista de plantão, crítica de cinema (não muito) chatinha e editora caprichosa. Cria do jornal O Estado de S. Paulo, trabalhou nas revistas TVA, Set, Istoé Gente e foi cofundadora da revista Preview. Membro da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema).

Comentar

* Informação requerida
1000
Iamgem do Captcha

Comentários (0)

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro!